Notícias

08 de fevereiro dia de Santa Bakhita

HISTÓRIA

08 de Fevereiro dia de Santa Josefina Bakhita 
A primeira Santa Africana.

"Ó Senhor, se eu pudesse voar lá longe, entre a minha gente e proclamar a todos, em voz alta, a Tua bondade. Oh! Quantas almas eu poderia conquistar para Ti!" (Santa Josefina Bakhita)

Santa Josefina Bakhita, testemunhou com a própria vida a alegria de servir a Cristo.
Nasceu no Sudão, em 1869. Santa Josefina, como muitos naquele tempo, viveu a dureza da escravidão. O seu nome Bakhita, que significa “afortunada”, não lhe foi dado ao nascer, mas lhe foi atribuído pelos raptores mais ou menos aos 7 anos de idade. Foi capturada e vendida por mercadores de escravos negros no mercado de El Obeid e depois de Cartum ao cônsul da Itália no Sudão, D. Calixto Legnani, que lhe deu carta de liberdade. 
No período de escravidão, Bakhita sofreu humilhações, sofrimento físico, psicológico e moral.
Na casa do cônsul Legnani, Bakhita trabalhava como mulher livre e isto lhe deu momentos de serenidade. Quando Legnani teve de regressar ao país, Bakhita decidiu acompanhá-lo, e chegando a Gênova é transferida para a localidade de Zianigo, ao serviço da família Michieli. Quando os Michieli tiveram de voltar para Suakin, na África, por motivos de negócios, Bakhita e a filha mais nova do casal (da qual Bakhita era babá), ficaram aos cuidados das irmãs Canossianas, em Veneza. 
Bakhita iniciou o catecumenato (catequese para receber os sacramentos iniciais), no Instituto das Irmãs. Já toda apaixonada por Jesus e prestes a receber os sacramentos, Bakhita recusa-se a voltar para a África, pois sentia em seu coração um desejo de abraçar a fé e vivê-la para sempre. 
No dia 9 de Janeiro de 1890, Bakhita é batizada, crismada e recebe a primeira comunhão das mãos do Patriarca de Veneza, Cardeal Agostini. No batismo, recebe o nome de Josefina Margarida Bakhita. 
Josefina Bakhita se destacou pela piedade e amor a Cristo, também pelo serviço social pelos demais pobres e as crianças desamparadas, o que fez com que ficasse conhecida com o apelido em vêneto de "Madre Morèta" (Mãe Moreninha).
Faleceu no convento canosiano de Schio, em 1947, com a idade de 78 anos; foi enterrada na capela de uma família de Schio, os Gasparella, provavelmente na espera de um sepultamento definitiva no Templo da Sagrada família. E assim foi em 1969, quando o corpo encontrado incorrupto de Bakhita foi sepultada sob o altar da Igreja do mesmo convento.
Foi canonizada pelo Papa São João Paulo II no ano 2000. Sendo que o milagre que a levou a ser reconhecida como santa aconteceu em Santos, aqui no Brasil.
Santa Bakhita é um exemplo claro de que é possível encontrar-se com Deus em meio aos desencontros e sofrimentos da vida. Envolvidos pelas nossas lutas de cada dia, recorramos a sua intercessão.
Santa Bakhita, rogai por nós!


Voltar